sábado, 5 de julho de 2008

JOÃO BOSCO BARRETO



O advogado e político cajaseirense João Bosco Braga Barreto, foi uma voz isolada a gritar por melhores condições de vida para a população sertaneja, como também, uma referênça na luta contra o regime militar no interior paraibano. Isso tudo lhe rendeu uma derrota (que ficou caracterizada como fraude eleitoral) a prefeito de cajazeiras, para seu opositor Epitácio Leite Rolim; uma eleição para Deputado Estadual; uma Suplência de Senador e uma prisão pela Polícia Federal, no centro comercial de cajazeires, acusado de ser subversivo e agitador.

foto:
http://www.defatosefotos.hpg.com.br

8 comentários:

joylce barreto disse...

Pena que a safra de grande politicos e pessoas do bem seja tão pequena.
Me orgulho em ser sobrinha desse grande homem sempre preocupado com o bem social.

flavio lomeu disse...

Obrigadão pela homenagem

gianni dominguez disse...

Grande senhor do bem este personagem.
Espero que mais Bosco Barreto existam.
Espelho para a nossa geração.

DR. PB. EDUVIRGE MARIANO disse...

Conheci e votei em Bosco Barreto.
Foi o maior e mais combatente político de Cajazeiras-Paraíba, e, jamais surgirá alguém com as qualidades daquele preclaro e brioro orador. Como advogado sempre esteve do lado das classes menos favorecida.
Ele dizia: MEUS IRMÃOS, MINHAS IRMAZINHAS TAMBÉM.
Outra frase: Cajazeiras de Amor.
Saudosa lembranças dos "comícios nos anos de 1972 e 1972 - na praça Camilo de Holanda e Praça João Pessoa.
DR. EDUVIRGE MARIANO - Advogado Cajazeirense - Militante em Porto Velho-Rondônia desde maio de 1984.

DR. PB. EDUVIRGE MARIANO disse...

Conheci, admirava e votei naquele erudito político sertanejo.
Foi o maior e mais combatente político de Cajazeiras-Paraíba, e, jamais surgirá alguém com as qualidades infidáveis daquele saudoso, preclaro, brioso e rutilante orador.
Como advogado sempre esteve do lado das classes menos favorecida, do homem sertanejo, e das mães de família - como ele mesmo dia.
Suas afirmativas célebres: MEUS IRMÃOS, MINHAS IRMÃZINHAS TAMBÉM.
Outras saudações notáveis proferida por ELE foram: 1) -Cajazeiras de Amor. 2 - Sem ódio e sem medo.
E as músicas: "eu não voto na arena pra não morrer de antipatia, porque este "povo da arena tá com a gota serena e é uma briga todo dia".
Saudosa lembranças dos "comícios nos anos de 1972 e 1974 - que eram realizados nos seguintes locais: praça Camilo de Holanda, Praça João Pessoa, Próximo a Cadeia Pública, Praça Padre Cícero, Bairros Capoeiras, Bairro dos Remédios e Rua Dr. Coelho".
Foi um importante político da ALA AUTÊNTICA DO MDB, e destacou-se como os saudosos deputados federais Lysâneas Maciel (Eleito pelo então estado da Guanabara), e Amauri Muller (deputado pelo Rio Grande do Sul).

DR. EDUVIRGE MARIANO - Advogado Cajazeirense - Militante em Porto Velho-Rondônia desde maio de 1984.

Anônimo disse...

Bosco Barreto foi marcante naquela geração cajazeirense de 70. Cheguei a essa cidade do alto sertão no auge da campanha política para prefeito: Bosco x Quirino. Conheci Bosco no dia-a-dia da disputa política. Inteligente e de bom coração. Falava ao sentimento do povo. A derrota foi uma fatalidade política que nos decepcionou.
-----------
chicary@uol.com

Anônimo disse...

Sinto muita falta de meu pai.

Ainda hoje guardo a obra de Neruda que "Bosquito" me deu: Confesso que vivi

Ninguém pode imaginar o que a dor de sua perda ocasionou na minha vida.

Lembro-me até hoje de frases como
- Manzuá! - Operação chuva!
Além é claro de - meus irmão e minhas irmanzinhas

Quem tiver registros sobre a vida dele e quiser me enviar ficarei muito grato

e-mail: pipocodotrovao@pop.com.br

Obrigado

Jesus Pablo dos Guimarães

Papai Zé Filho disse...

José Trajano - Auditor TCEPB.

Quando tinha dez anos e estudava no Grupo Escolar Milanez, lembro-me de algumas manifestações encabeçadas por Bosco Barreto. O tempo está passando e grande parte do seu legado está sendo esquecido. Encontro poucas referências sobre essa grande figura. Se eu não estiver enganado, acho que a eleição que tomaram de Bosco Barreto para Prefeito foi contra Antônio Quirino de Moura.