sexta-feira, 26 de março de 2010

O "CRISTO REI" SITIADO





Um dos pontos pitorescos da cidade de Cajazeiras está desaparecendo. Eleito por aclamação pela população e visitantes como o principal atrativo turístico da cidade, o “Cristo Rei” (como se ver na foto ao lado) é hoje um monumento esquecido pelos poderes públicos - municipal e estadual; responsáveis imediatos pela sua conservação e manutenção. Doado pelo Senhor Silvino Bandeira aos cajazeirenses em 1939, na administração do Prefeito Celso Matos, o “Cristo Rei”, durante décadas, tem se tornado cada vez mais na principal simbologia histórica e religiosa da cidade quando se quer divulgar o nome de Cajazeiras em feiras, eventos e campanhas publicitárias de fomento ao turismo local. Entretanto, toda sua importância histórica e religiosa, ainda não foi suficiente para sensibilizar esses “poderes” que alheio ao problema, abrem as suas pernas, numa total atitude despudorada e permitem que empresas de telefonia, tv e rádio (em nome da tecnologia) se instalem ao redor do Cristo sem nenhum ônus para o erário público; Imprensando, sufocando com suas poderosas antenas, acabando com a história e com a principal referência turística da cidade. Fora as antenas, fora as parabólicas, fora as ondas magnéticas que com certeza não faz bem a saúde e fora a ansiedade de destruir o pouco que ainda resta de história e passado da cidade. Com a palavra, os senhores prefeitos que já passaram e que estão passando pela administração municipal, que numa aposição suspeita - são como e/ou se fosse o “Pirata” da garrafa de Montilha: fecha um dos olhos e faz de conta que o outro não enxerga bem; não deixando o "Cristo" reinar no lugar onde sempre foi dele.

sábado, 20 de março de 2010

AÇUDE GRANDE: ABANDONO E RESISTÊNCIA.

As duas fotos ao lado, revelam aos olhos do saudosismo, uma época remota do lendário Açude Grande de Cajazeiras; hoje esquecido, abandonado e desamparado por aqueles que durante longas décadas, beberam de sua água e saciaram as suas sedes nos longos períodos de estiagens. Idealizado pelos antigos fundadores da cidade - Vital Rolim, Ana de Albuquerque e Padre Rolim, que sensibilizados com a problemática e angustiante escassez de água na região, juntaram alguns escravos que tinha e a troco da força servil, realizaram no século XIX a sua primeira construção. A importância do açude para a cidade nos faz viajar no tempo, nos leva em pensamento a um passado distante, quando em 27 de dezembro de 1915, ano de uma terrível seca, deu-se início a sua ampliação pelo Governo Federal, cuja supervisão e responsabilidade da reforma ficaram a cargo do engenheiro Coelho Sobrinho, que juntamente com o suor de 300flagelados” terminou a sua construção em 16 de abril de 1916. Inaugurado festivamente pela sociedade cajazeirense da época, o mesmo recebeu o nome de açude “Senador Epitácio Pessoa”. Sem dúvida, as fotos, embora amareladas pelo tempo, representam um legado fotográfico da história da cidade.


segunda-feira, 15 de março de 2010

CHICO ROLIM x RAIMUNDO FERREIRA

A fotografia acima, datada de 1965, mostra o Secretário de Educação e Cultura do Estado ao lado de duas estrelas da política cajazeirense dos anos 60 e 70. Francisco Matias Rolim (no meio), o conhecido Chico Rolim. Político tradicional de direita e conservador, ex-prefeito de Cajazeiras por várias vezes, responsável pela implantação do primeiro recapeamento asfáltico nas ruas da cidade. Chico foi um administrador austero preocupado em preparar a cidade para o futuro. Um político de perfil (naquela época) um pouco parecido com o que podemos hoje chamar de Ricardo Coutinho - atual prefeito de João Pessoa. O outro, Raimundo Correa Ferreira - o "Homem da Brasília" (lado esquerdo de Chico), fazia uma linha mais moderada com tendências para centro esquerda. Foi um bem sucedido empreendedor, construiu o primeiro prédio vertical da cidade - onde ainda hoje está instalado um dos principais hotéis de Cajazeiras e onde também funcionou por muito tempo a antiga rodoviária. O mesmo era dono da empresa de ônibus "Viação Brasília", que fazia linha de Cajazeiras à Brasília. Raimundo apesar de não ser cajazeirense, pois nascera na cidade do Crato-Ceará, era um apaixonado por Cajazeiras, tentou várias vezes sem sucesso, ser prefeito da cidade.

sábado, 6 de março de 2010

PAISAGEM ESVERDEADA

Foto: Marcus Alberto

Bela foto não é? Suas características assemelham com um daqueles postais europeu. Algo que faz lembrar a vislumbrante região de Toscana, na Itália, com suas igrejas antigas, conventos e abadias. Até a cor revelada, lembra o colorido verão europeu. Mas por incrível que pareça não é a Itália, apenas um trecho da cidade de Cajazeiras; é o sertão, é nordeste e é Paraíba. Como explicar o mistério dessa fotografia. Ela está distorcida, o fotógrafo usou uma lente especial, um filtro para captar essa imagem tão bonita, ou a mesma é apenas um resultado de uma provocativa montagem ficcional. Como entender a posição da Catedral de Nossa Senhora da Piedade, que aparece por traz da Igreja do Colégio Diocesano e tão próximo do Morro do Cristo Rei, quando na realidade, "ela" (a Catedral de Nossa Senhora da Piedade) fica bem ao lado, bem mais distante do morro onde está o Cristo. E o seu colorido, seria uma conseqüência do seu envelhecimento, do tempo... Ou nenhum das hipóteses acima! O certo é... Que nos olhos de quem a observa, a "bela foto" lembra uma pintura do período neoclássico, com seus tons de azul-esverdeados, de amarelo-alaranjados e alguns toques de branco titânio.

quarta-feira, 3 de março de 2010

SEMIOLOGIA POLÍTICA


Olha só,
que bonitinhos... O que será que eles estavam conversando? Uns são mais sisudos e até um tanto acanhados; outros não muito discretos dão risadas e perplexos, parecem concordar com tudo. Os mais seguros e otimistas, são certos que tudo vai da tudo certo. Tem aqueles que no meio, calados, mais pensativos, não parecem tão seguros. É quase como os de fora, que não sentam que não falam, que normalmente de pé; não opinam; mas de ouvidos abertos ouvem tudo e vê tudo. Parecem mais curiosos, do que "uma parte" do jogo. E os escondidos!.. Esses ficam afastados. Esperam apenas os desdobramentos dos fatos, para daí tirar partidos, se fica, se vem ou se vão. Se vão... Pois a política é assim: Numa mesa bem quadrada, sentados no mesmo quadrado, distantes de qualquer olho, de luzes e holofotes, Chico Rolim e Antônio Quirino; Edme Tavares e Wilson Braga (de costa - só a cabeça no canto esquerdo da foto); Seu Nô e Antônio Dias; e as representações populares: De João Batista do hospital a Patrício Pires Nogueira. Decidem as alianças de caciques, de pajés; de mandatários de um povo de uma aldeia tribal bem chamada Cajazeiras.

Fotos: (preto e branco) site: http://www.defatosefotos.hpg.com.br