sábado, 24 de abril de 2010

O que esconde o ataque de "Sabino Gomes" à cidade de Cajazeiras.


por C l e u d i m a r   F e r r e i r a




                                  

Afirmam alguns historiadores que pesquisam sobre a atuação do cangaço nordestino, que em umas das andanças de Virgulino Ferreira da Silva - Lampião à Juazeiro - Ceará; Padre Cícero havia pedido ao mesmo que evitasse atacar a cidade de Cajazeiras, pois segundo ele, a mesma era uma terra abençoada, a qual existia um padre quase santo que era seu amigo e que tinha carinho e apreso ao mesmo. O religioso que Padre Cícero estava se referindo na conversa com Lampião, era o Padre Inácio de Sousa Rolim - o Padre Rolim. 

Asseguram também esses mesmos estudiosos do assunto, que por volta de 1926, Padre Cícero - que naquela época além de ser anticomunista já misturava e confundia política com religião, teria aproveitado a lealdade que o rei do cangaço tinha a sua pessoa, e havia proposto a Lampião atacar a Coluna Prestes quando essa cruzasse o Nordeste. Em troca, o cangaceiro receberia uma patente de Capitão das Forças Patrióticas.

De fato, a história confirma que o acordo foi feito. O padre de Juazeiro juntamente com amigos donos de terras da Região do Cariri, equipou Lampião e seu bando com armas e munições. Relatam os historiadores, que Lampião recebeu as armas, as munições e a patente de Capitão mas nunca atacou Luis Carlos Prestes e seus seguidores, configurando-se na primeira e única traição do rei do cangaço a Padre Cícero. Mas seria talvez essa a primeira e única ludibriada do famoso justiceiro do sertão ao padre de Juazeiro?

O ataque do cangaceiro Sabino Gomes - seu lugar tenente (como próprio Lampião afirmou no dia 6 de março de 1926, em entrevista ao médico de Crato, Octacílio Macêdo), a cidade de Cajazeiras não seria a segunda traição de Lampião a Padre Cícero, já que esse fato ocorreu em 28 de setembro de 1926, oito meses após o encontro Lampião com Padre Cícero e de ter sido entrevistado pelo médico Octacílio Macêdo?

Será que os motivos alegados por Sabino Gomes; os de que ia atacar a cidade para vigar uma emboscada que havia sofrido por policiais comandados pelo oficial Lourenço Dunga; se vingar também do ex-cangaceiro Raimundo Anastácio, que naquele momento tinha se aliado as autoridades da Cajazeiras; prender o Prefeito e o Engenheiro das Secas para pedir resgate, não seriam pretextos para justificar ou encobrir o que havia por traz do ataque?

Portanto, se os fatos registrados pela história forem reais, há alguns pontos neste episódio que merecem também uma reflexão pelos estudiosos do cangaço. Será que Sabino Gomes quando atacou a cidade de Cajazeiras, não estavam com ele na empreitada, cangaceiros pertencentes ao bando de Lampião? E para fazer frente à defesa montada pela população cajazeirense, Sabino e os comparsas não estavam também reforçados com as armas cedidas a Lampião para combater a Coluna Prestes?

Para finalizar, uma pergunta que não me deixa calado veio a minha mente: Se Lampião tinha tanto apreso ao Padre de Juazeiro, porque permitiu que o seu “braço direito” Sabino Gomes invadisse Cajazeiras? Será que Lampião não sabia da invasão do cangaceiro a cidade? Ou sabia. E assim, para não ficar caracterizado a sua segunda pérfida ao seu Santo Padim Ciço, será que Lampião ao invés de atacar Cajazeiras, preferiu de forma poltrão, mandar o seu principal homem de confiança? Com a palavra os simpatizantes do assunto.



sábado, 17 de abril de 2010

S.O.S CRISTO REI



S.O.S. para o Cristo. Desprezado, esquecido, humilhado, o Cristo Rei segue sua via cruzes. Torturado, imprensado, camuflado, reduzido a minúsculo "ex-votos" pelas poderosas antenas que representam o disfarçado progresso tecnológico e a ambição dos grandes grupos das comunicações no Estado, o nosso principal monumento vive num estado letárgico sem precedentes. Só resta apelar para o Divino, já que as providências terrenas se distanciam cada vez mais e têm se revelado pusilâmine demais diante do problema que atinge o nosso principal ponto turístico. Salve o Cristo, Viva o Cristo.


ANTIGA SEDE DO COLÉGIO CARMELITA



Prédio onde funcionou o antigo Colégio Normal das Carmelitas. Com a transferência do educandário carmelita na década de 60 para suas novas instalações - nas proximidades da Rua Samoel Duarte, o velho edifício passou a ocupar as instalações do Cine Pax até os anos 80. Ainda na década de 80, o mesmo passou por uma reforma se transformando em apartamentos e salas comerciais como até hoje está.

PRAÇA CORAÇÃO DE JESUS



Esta foto é realmente uma viagem no tempo. Ela foi gravada no momento em que o calçamento da Av. Padre José Tomaz estava sendo feito. Observe bem que no canto esquerdo da mesma, há um monte de areia. Onde estão os postes de luz, o meio fio está inacabado. No lado direito, na esquina onde hoje funciona a Danielle Butique, dá pra ver - com detalhes, os operários trabalhando na pavimentação. Lá nos fundos - na calçada da antiga lanchonete São Braz, tem outro operário trabalhando. No meio da foto, estacionado, um caminhão usado para transportar a areia, está debaixo do antigo Pé de Trapiá.

sábado, 3 de abril de 2010

A DÉCADA DE 80 VIU A ARTE DE MARCOS PÊ



Frente do catálogo da mostra de artes plásticas que o artista gráfico cajazeirense Marcos Pê - hoje radicado no Estado do Piauí, realizou no final da década de 80, na Biblioteca Castro Pinto em Cajazeiras. Antigo integrante do já instinto Atelier de Artes do Núcleo de Extensão Cultural da UFPB, Marcos, sempre foi um artista figurativo embora realista. Como bem disse o poeta Adolfo Araújo é "uma avidez em cada traço", isso porque a sua arte traduzia naquela exposição, um eloquente sentimento de busca incessante pala expressão, pelo explicito, pelo desejo veemente de expressar-se e comunicar-se com seus expectadores. De técnica simples - parecendo até "ingênuo", Marcos aplicou pinceladas curtas e às vezes rápidas para definir a forma do seu trabalho, levando o observador a reviver naquele momento o fascinante princípio da escola expressionista alemã e por outro lado, também demonstrou nitidamente uma tendência para a temática surrealista.


Trabalho do Artista Marcos Pê para o intercambio de arte
entre Cajazeiras/Campina Grande em 1980



Um dos trabalhos do Artista
Exposto na Mostra






quinta-feira, 1 de abril de 2010

O DOURADO POR DO SOL EM CAJAZEIRAS



Sou o Tempo que passa, que passa.
Sem princípio, sem fim, sem medida! ...A correr, de segundo em segundo... Vou formando os minutos que correm... Vou correndo sereno e constante... E não há para o Tempo demoras! Não gasteis os minutos sem pena! Não façais pouco caso das horas! Trechos do soneto "O tempo" de Olavo Bilac.