terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Ele gostava de Cajazeiras, mas a cidade não gostava dele.

Cleudimar Ferreira





Conhecido popularmente como o “Homem da Brasília”, o empresário Raimundo Correia Ferreira quando chegou a Cajazeiras, sentiu uma forte atração pela cidade que na época já apresentava um comércio em franca expansão e uma acanhada vocação para o setor industrial. 

Alimentado pelo trem que facilitava o acesso às cidades do cariri cearense de onde vem sua origem; atraído pelo movimentado centro comercial e pelas indústrias e algodoeiras, como a J. Matos S.A; a firma da família Abrantes; Representação da SAMBRA e outras pequenas empresas de extração de óleo do algodão e torrefação de Café; Raimundo Ferreira viu na terra dos Rolins a possibilidade de fazer bons negócios. E fez. Primeiro construiu na zona de expansão, onde havia a maior concentração de empresários do ramo algodoeiro, o primeiro edifício vertical da cidade - que já foi à rodoviária e hoje é um hotel. Bem mais cajazeirense do que nunca, Raimundo queria mais, criou a “Viação Brasília” que fazia a linha Cajazeiras - Brasília. Depois vieram a Viação Rápido Juazeiro, Viação Rio Negro, Viação Varzealegrense e VB Express.

Na sua rápida passagem pela política, tentou duas vezes sem sucesso, ser prefeito de Cajazeiras. Em 1963, pelo PSB, entrou numa disputa ferrenha com Chico Rolim, Acácio Braga Rolim e José Leite Furtado, amargando um 3º lugar com 2.120 votos obtidos. Após o golpe militar de 1964, Raimundo Ferreira se filiou ao MDB e na eleição municipal de 1969, travou mais uma vez, uma guerra pela prefeitura cajazeirense com o candidato da ARENA Epitácio Leite Rolim. O resultado foi uma esmagada derrota sofrida, com o seu opositor obtendo 6.548 votos e Raimundo Ferreira apenas 2.324 votos. Uma maioria prol Epitácio de 2.324 sufrágios. Uma humilhação e vergonha para um homem que modestamente, vinha investindo tanto no progresso da cidade

Desgostoso por não ter da população cajazeirense uma resposta positiva e um reconhecimento pelo muito que vinha fazendo pela cidade, Raimundo Ferreira deu adeus a política partidária e passou a se dedicar exclusivamente a atividade empresarial. Fixou residência na região cearense e só aparecia em cajazeiras para ver como andava as suas empresas. 

Raimundo gostava de Cajazeiras, mas a cidade não gostava dele. Obcecado e determinado em crescer mais ainda, “o Homem da Brasília” se enveredou pelas atividades da comunicação. Nos anos 70, passou a sonhar com a possibilidade de explorar os serviços de radiodifusão. Em suas primeiras investidas, o empresário tentou conseguir a concessão de uma emissora para Cajazeiras, onde definitivamente voltava a residir. Em seguida, voltou-se para a cidade de Juazeiro do Norte, sem sucesso. O entrave maior que Raimundo Ferreira enfrentou foi o fato de as duas cidades já terem emissoras de Rádio funcionando. Aconselhado por pessoas próximas, resolveu então, tentar conseguir a liberação de uma emissora para Várzea Alegre. 

Finalmente, no ano de 1974, contando com o apoio do então Deputado Mauro Sampaio, que por sua vez, contou com o apoio de um irmão que na época trabalhava no Ministério das Comunicações, Raimundo finalmente viu o seu sonho se realizar. Os esforços não foram em vão e desta vez, a concessão para explorar os serviços de radiodifusão, foi concedida. E assim, ele criou a Rádio Cultura de Várzea Alegre, inaugurada em 05 de junho de 1978. Hoje com 79 anos, Raimundo Ferreira reside em Juazeiro. Boa parte de suas empresas foram vendidas, as que restaram, são bem administradas por parentes e familiares na região de Juazeiro e Crato - Ceará.




TODAS AS FOTOS DE RAIMUNDO FERREIRA
Acervo: Borracha
................................................................................................................................................................................................


















3 comentários:

Anônimo disse...

Caro Cleudimar,

Gostaria apenas de informar que o Sr. Raimundo Ferreira continua vivo e mora em Juazeiro do Norte-CE. Favor corrigir a imperfeição.

Claudiomar disse...

Vivo sim, mas está fora do mundo.
A filha dele que mora em Cajazeiras foi quem informou papai, isto há um mes atrás.
Parabéns pelo texto, história viva de cz.
Se vc permitir posso reproduzi no meu blog, com muito prazer.
Meu e-mail
claudiomarrolim@yahoo.com.br

Andrea Lopes Correia Ferreira disse...

parabéns pela matéria. Tudo que se refere a Raimundo Ferreira significa muito para mim.
Acostumei-me a admira-lo e a vê-lo como um dos homens de visao que fez muito por nossa querida cidade.
Na década de 60, Cajazeiras tinha um filho adotivo que a amava e que provou isto através de palavras e obras. Ele arregaçou as mangas e lutou para dar agente a possibilidade que estamos tendo hoje. De um futuro que queremos promissor. Ele era, aquilo que o slogan da empresa dizia: "Gente da gente para servir agente"
Plantou crescimento e alavancou a modernidade. Cajazeiras, graças a pessoas como Sr. Raimundo, destacou-se como sendo a cidade que agrega grandes valores e possibilidade de crescimento comercial.
Raimundo Ferreira será lembrado por mim,independente de sua condição física, como o maior empresário que Cajazeiras já teve.