domingo, 27 de março de 2011



Avenida
Cel.Juvêncio
Carneiro

Um postal que os olhos da modernidade jamais vai poder contemplar a não ser por fotografia como essa. Em primeiro plano - no canto direito da foto, podemos ver a antiga cadeia pública que foi demolida para ser construída no local a atual agência da Caixa Econômica Federal. Na mesma direção - logo à frente, há um posto de gasolina da "ESSO" com a bomba de abastecimento na calçada. Há também tambores de óleo diesel no meio da rua servindo de jardineira para um isolado pé de algaroba. No canto esquerdo um singelo hotel e uma pousada, compõem o prospecto urbano do logradouro, na sua maioria construções do final do século XIX e início do século XX. A imagem ainda não revela a presença da atual sede da Prefeitura e nem o prédio da antiga loja de eletrodoméstico "Carvalho Dutra". Se o patrimônio histórico da cidade não tivesse sido brutalmente agredido, com tem sido a prática evidenciada na cidade, tal vez os nossos olhos pudessem contemplar pelo menos um pouco do que restou desse bonito postal.

Quem foi Cel. Juvêncio Carneiro:

Juvêncio Vieira Carneiro nasceu em Riacho dos Cavalos, então Distrito de Catolé do Rocha, em 1874. Era filho de José Vieira Carneiro - conhecido como Zé Mago e Maria Alexandrina Vieira. Em Cajazeiras, Jovêncio Carneiro foi comerciante influente na cidade com negócios estendidos para as praças do Recife e Fortaleza. Era político aliado da família Rolim, tendo assumido por várias vezes a Presidência do Conselho Municipal Cajazeirense e exercido o carga de Prefeito em 1944, ano do seu falecimento.


sábado, 26 de março de 2011

NPR - A primeira rádio alternativa
de Cajazeiras
faz 50 anos.


Foto 1
: Antiga sede - Foto 2:Atual sede


Um dos mais tradicionais sistemas de comunicação do interior paraibano, a rádio alternativa NPR (Norte Publicidades Radiofônicas), completou 50 anos de existência. Fundada no dia 30 de Junho de 1960, pelo senhor José Adegildes Bastos, o sistema de som NPR, no início tinha apenas alguns alto falantes instalados em algus postes da Praça Camilo de Holanda, ao longo dos anos o sistema de alto falantes espandiu-se, e hoje, cobre praticamente toda a cidade, com caixas acústicas e alto falantes, instalados em pontos estratégicos, proporcionando aos seus ouvintes: informação, prestação de serviços e música.

A NPR diferencia-se dos demais sistemas de alto falantes (rádios alternativas), devido ao seu tradicional horário de programação, funcionando de segunda à sexta-feira das 6:00 hs às 7:00hs da manhã, despertando a cidade com boa música e informação, o segundo horário é no período da noite, das 18:00 hs às 21:00 hs, com uma programação variada, inclusive atendendo pedidos musicais dos ouvintes. Durante o dia, a NPR só funciona em casos extras, como avisos de missa, notas de falecimento, etc.Durante a semana, a programação é apresentada por Heraciel de Souza, e aos domingos, o comunicador, é o conhecido Neco da NPR.

Grandes artistas do passado, se apresentaram na NPR, como Alcides Gerardi, Núbia Lafayette, Nelson Gonçalves e outros nomes da música popular brasileira.Também, grandes nomes da política paraibana, utilizaram o espaço da NPR, para entrevistas e pronunciamentos, um exemplo, foi o ex-governador, hoje falecido, Tarcisio de Miranda Burity, que durante o seu mandato nos anos 80, sempre que vinha a Cajazeiras, visitava a NPR, inclusive concedendo entrevista em cadeia de rádio, tendo a NPR, como geradora. Hoje, a NPR faz parte da história de Cajazeiras, uma referência de comunicação da terra do Padre Rolim.
Matéria postada no blog: radionpr.blogspot.com


Foto 3:
O atual estúdio

quinta-feira, 24 de março de 2011

Membros da FUNESC visitam o Teatro Irácles Pires
e constatam irregularidades.


O Senhor William Tejo Neto, vice-presidente da FUNESC, o diretor de Desenvolvimento Artístico Cultural - Tarcísio Pereira e o diretor de Artes Cênicas - Humberto Lopes estiveram realizando inspeções em caráter administrativo nas instalações físicas do Testro Irácles Pires em Cajazeiras e levaram para João Pessoa um relatório para o Secretário de Cultura do Estado - Chico Cesar, a fim de resolver problemas encontrados no referido local.

Em sua fala Tarcisio Pereira agradeceu a Leonardo Alves do "FOCA", pelo convite para vir ao Ica e, vê de perto a situação física e administrativa pela qual se encontra a única casa de espetáculos dessa cidade, indagado por inúmeras vezes sobre pormenores Tarcisio disse que questões caseiras fossem resolvidas em casa. "Precisamos tirar este teatro do desuso", "precisamos realizar uma verdadeira ebulição cultural aqui, precisamos de uma programação rotineira, que envolva parceiros”, finalizou.

Leonardo Alves citou questões sobre como funcionar melhor apoio a nova gestão e práticas antigas empregadas no Ica. Do bar existente ao lado do teatro, William Tejo informou que está nas mãos do Dr. Ricardo Almeida Lins e demais autoridades do MPPB, para avaliar se verdadeiramente existem irregularidades ou não, mas nos próximos dias uma resposta á sociedade será dada, pois segundo Tejo e promotores do MPPB já foram encontrados diversos pontos que caberá ajustamentos, citando um deles a sessão de uso. Por fim Tejo ressaltou que todas as decisões judiciais serão acatadas.

Transcrito de Folha Vip de Cajazeiras




Foto 1: William Teje Neto inspecionando um camarim na companhia de Marcelo
.
Foto 2: Banheiro exclusivo para uso de cadeirantes ocupado por equipamento de som do bar.
Foto 3: Escritório com foco de cupim. Foto 4: Saídas de emergências obstruída
s.

terça-feira, 22 de março de 2011

Uma fotografia para a posteridade.
.........................................................................................................................
Com o indicador direito sobre o mapa da Paraíba, o Bispo da Diocese cajazeirense, Dom José Gonzáles Alonso mostra ao Papa Bento XVI, onde está localizada a cidade de Cajazeiras. A fotografia foi
produzida durante o encontro do Bispo com o Papa,
que aconteceu em 2009, em Roma.


quinta-feira, 17 de março de 2011



Duas fotos, duas épocas.

Rua Padre José Tomaz - centro comercial de Cajazeiras. Antigamente era formada pelas as ruas do 
Comércio, Coração de Jesus e Coração de Maria. A foto de cima, provavelmente, foi tirada entre as 
décadas de 60 e 70. A de baixo, pelo aspecto urbanístico que o local apresenta, bem como, as roupas 
indumentárias que veste os transeuntes, deve ter sido produzida nos 30 ou 40. Em 1890, 
a Rua do Comércio contava com oitos prédios, todos eles destinados à atividades comerciais. 
Mais na frente, no largo - trecho denominado de Rua Coração de Jesus, havia dez 
casas e a Rua Coração de Maria, pequenos prédios, residencias, totalizando 
o total de trinta e duas casas. Uma viagem ao passado de nossa 
cidade. Click nas duas para vê-las melhor.



Sobre o "Padre José Tomaz":O Padre José Tomaz, foi o primeiro vigário da paroquia de 
Nossa Senhora de Fátima. No século XIX, em 1864, foi escolhido oficialmente o 
primeiro Presidente da Câmara Municipal e em seguida,
indicado como o primeiro Prefeito da cidade, ou seja, foi o primeiro
administrador e chefe político da Cajazeiras.



segunda-feira, 7 de março de 2011

Artes Descartáveis
em Cajazeiras.


...................................................Cleudimar Ferreira


No início dos anos oitenta, a arte brasileira, ainda saindo do estado de anestesia, procurava novos rumos. Um efeito provocado pela perseguição de uma estética, onde a expressão anartístico do carimbo, dos postais, heliógrafos, vídeo e fax, formaram quase na sua totalidade os elementos mais vistos nas galerias de artes dos subsequentes anos setenta.


Um impacto visual que começou a perder força para o pós-modernismo, que avançou rápido sobre as massas, inaugurando um novo estilo de vida permeado basicamente, pelo espírito consumista, hedonista e narcisista, de característica extremamente individualista.


Com essa apoteótica febre do pós-moderno, na Paraíba, o NAC - Núcleo de Arte Contemporânea, ligado a UFPB, despontava nos primórdios anos oitenta, como promotor de grandes exposições e oficinas de artes desse gênero em João Pessoa e estendidas também para o interior do Estado, nos centros com maior engajamento artístico, como foi o caso de Campina Grande e a cidade de Areia, através da realização do seu Festival de Arte.


Foi também nesse período que a Paraíba viu nascer, em 1983, a Fundação Espaço Cultural José Lins do Rego, que passaria a ser o principal órgão realizador de intensivos eventos culturais de proporções maiores - como referência; o Workshop Brasil-Alemanha, em 1991 e a gigantesca mostra de arte expressionista alemã, em 1992.


Em Cajazeiras, nos indecisos primeiros anos oitenta, foi instalado no campus V da UFPB, o Núcleo de Extensão Cultural - NEC, que passou a ter uma caráter respondível na direção de quase todos os acontecimentos culturais de nossa cidade. Sob sua tutela, a sociedade cajazeirense viu surgimento em 1981, do primeiro intercâmbio de arte entre duas cidades - Cajazeiras e Campina Grande; viu também entre os anos de 1980 a 1983, a realização de sucessivas coletivas de artes plásticas na Biblioteca Pública Municipal.


Se os acontecimentos acima, reforça a tese dos antecedentes da pintura, que remontaram ao dadaísmo e ao pensamento de Marcel Duchamp, por serem ambos referência discriminatória a pintura, por ela representar o “bom gosto” da burguesia, O pós-moderno também sofreu suas modificações e passou a ter características marcantes, trazendo consigo traços de desmobilização e despolitização, se valendo de uso de matérias até então não convencionais a arte, como os descartáveis - no agora, protagonizados de recicláveis e passivos de serem aproveitados como objeto para a criação artística.


“Isso, porque já não se concebe uma limitação de só se expor obras em óleo, quando a arte brasileira anda cheia de alternativas e novas tendências de impacto visual e temático, que só evidenciam o seu potencial” afirmou, em 1984,
a Artistas Plástica Telma Cartaxo, para justificar a realização da primeira exposição de Artes Descartáveis de Cajazeiras.

A exposição, como bem frisou Telma Cartaxo, se tornou naquele ano, em 1984, em um dos maiores eventos culturais do sertão e em especial de Cajazeiras, facultando a população a oportunidade de ver não os elementos da pintura propriamente dita, como a tela, as cores, os traços e linhas, mas observar um conteúdo composto de objetos e instalações, confeccionados a partir de papelão, linhas, madeiras, estopas e outros materiais geralmente descartáveis pelo comércio e população cajazeirense. Foi algo inusitado para uma sociedade acostumada com a visão acadêmica que a pintura ainda revelava nas exposições anteriores, patrocinadas pelo setor de artes visuais do NEC.


Participaram da Exposição os artistas Gregório Guimarães, Marcos Túlio, Francisco Oliveira, Ricardo Figueiredo, Cleudimar Ferreira, Aldacira Pereira, Telma Rolim Cartaxo e Marcus Pê. A referida exposição foi realizada entre os dias 04 e 22 de agosto, na Biblioteca Pública Castro Pinto e teve o apoio da AUC - Associação Universitária de Cajazeiras, Funarte e Secretaria de Educação e Cultura do Estado.





domingo, 6 de março de 2011

O Eterno Carnaval de Rua do Folclórico
Carnavalesco
João de Manezim
..................................................................................................................



sábado, 5 de março de 2011

O fascinante deslize das águas
na sangria do Açude Grande.

..........................................................................................................................





quinta-feira, 3 de março de 2011

.......................................................................................................................................
Antiga Praça (Av.) João Pessoa. Olhando bem a imagem abaixo e comparando
com "as" que estamos acostumados a enxergar hoje, podemos
ver quanto mudou o nosso principal passeio público.



quarta-feira, 2 de março de 2011

Deu na folha:

Ator promete permanecer acorrentado na porta do Teatro Ica por tempo indeterminado em protesto


Manobras para retardar a nomeação do teatrólogo cajazeirense Orlando Queiroz Maia (foto), o “Mainha”, está deixando o rapaz insatisfeito, pois o mesmo já atribui os acontecimentos a um grupo de pessoas ligadas umbilicalmente a cultura local e, indícios dão que o empresário que explora comercialmente um bar instalado no anexo do Teatro Iracles Pires vem usando de toda artimanha para a retardação da nomeação do referido ator.

Tudo
porque “Mainha” andou comentando nos bastidores que tem a intenção de tomar providências urgentes no desmembramento de água e luz que aquele “comércio” usa abundantemente sem custas ao mandatário.

Inconformad
o, visivelmente, Orlando se prepara para fazer uma greve de fome em protesto às atitudes dos "companheiros" de outrora.

Como prazo estabelecido para iniciar silenciosmente ao referido infortúnio, "Mainha" se diz pronto para as primeiras horas desta quinta-feira (3), na porta do teatro, "vou permanecer acorrentado, sem comer por tempo indeterminado, ou até que as autoridades tomem conhecimento e resolvam de uma vez essa questão", afirmou o mesmo.


Matéria