segunda-feira, 24 de outubro de 2011

  
Duas belas imagens da chuva nas ruas de Cajazeiras.
A primeira é realamente uma obra de arte. Já a segunda, foi um registro fotográfico
dos mais de170 milímetros caido na madrugada de sexta-feira da semana passada.




sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Cajazeiras poderá ter Praça dos Esportes e da Cultura.


Como será:


            A Praça da Juventude, denominada de Praça dos Esportes e da Cultura é uma ação interministerial - reúne os Ministérios da Cultura e dos Esportes, cuja implantação e coordenação está sob a responsabilidade do MinC. É um projeto arrojado, que prevê a criação de espaços públicos para o desenvolvimento de atividades de lazer, esporte, cultura e cidadania, nas cinco regiões do país. Entre as ações que serão desenvolvidas nas Praças pelo Ministério da Cultura, destacam-se os Telecentros, as Bibliotecas, Oficinas Culturais, Cineteatros e Auditórios para a realização de espetáculos artísticos. O programa contempla três modelos arquitetônicos para as praças, com base na dimensão dos terrenos que serão doados pelas prefeituras, que poderão ser de 700m², 3.000m² e 7.000m², que servirão apenas como referência para as administrações municipais, podendo ou não serem adotados. As atividades de lazer serão também compartilhadas com as prefeituras municipais das cidades onde as praças irão ser instaladas, que assumirão o compromisso da parte gestora do espaço, ficando com a responsabilidade de fazer a conservação, produções de eventos e a criação de políticas públicas de mobilização social. Há pretensão do Ministério da Cultura de estender a estas equipamentos os seus principais programas, tais como: os Pontos de Cultura, as Salas de Cinema Mais Cultura, Bibliotecas Públicas e Agentes de Leitura. Entretanto, está acontecendo no Auditório Aloísio Magalhães da Fundação Joaquim Nabuco, Recife-PE, 20 e 21 deste mês de outubro (ontem e hoje), o Seminário Regional das Praças dos Esportes e da Cultura, onde deverá está presente um representante da gestão municipal de Cajazeiras. O Seminário tem como palta para o debate a adesão à proposta de mobilização social, orientações para sua execução, bem como capacitação dos futuros gestores, via metodologias de apresentação de cursos à distância.


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Neném Labirinto - Um personagem além do tempo.
Aqui nesta imagem, numa Cajazeiras sépia e preto-e-branco, saindo do futuro e mergulhando
de volta ao passado, mais ou menos nos anos 40, o nosso eterno "bom-de-papo" já 
aparecia ao vivo e em cores pra todos, estreando a sua telefonia móvel. 
Uma prova que para "ele" tempo não foi problema em sua vida.


quarta-feira, 12 de outubro de 2011


Quadro que representa a chegada da família Rolim no Sítio Cajazeiras e início da fundação da cidade, 
pintado por W.J.Solha, exposto na Biblioteca Castro Pinto, resiste as intempéries do tempo, 
mas precisa urgentemente de ser restaurado. Não deixem essa importante obra plástica
que representa o princípio da nossa história se acabar. 
 .........................................................................................................

Sobre o autor do quadro.

Waldemar José Solha (W.J.Solha com é conhecido) nasceu em 1941, em Sorocaba, Estado de São Paulo, mas radicou-se na Paraíba desde 1962. É escritor, cordelista e artista plástico. Tem também passagens pela artes cênicas. Escreveu e montou as peças: "A Batalha de OL contra o Gígante Ferr" em 1986, e "A Verdadeira História de Jesus" em 1988. Escreveu também "Os Gracos" (inédito), "A Bagaceira" e "Papa-Rabo" (montadas pelo ator e diretor Fernando Teixeira em 1982 e 1984), "Burgueses ou Meliantes" (peça dirigida pelo cajazeirense Ubiratan de Assis em 1988), e "A Batalha de Oliveiros contra o Gigante Ferrabrás", Montada por Ricardo Torres em 1991. 
Escreve os textos para "Cantata Pra Alagamar" - música de José Alberto Kaplan; gravação de Discos: Marcus Pereira 1980 e "Os Indispensáveis", - para música de Eli-Eri Moura apresentada em João Pessoa em 1992. Trabalhou como ator nos filmes "O Salário da Morte", dirigido por Linduarte Noronha em 1969; "Fogo Morto", dirigido por Marcus Farias; "Soledade", dirigido por Paulo Thiago (ambos de 1975); "A Canga", de Marcus Vilar, em 2001 e "Lua Cambará", dirigido por Rosemberg Cariry em 2002. 
É autor dos painéis "Homenagem a Shakespeare", de 1997, em exposição permanente no auditório da reitoria da UFPb e "A Ceia", de 1989, no Sindicato dos Bancários da Paraíba.  Como escritor é autor dos livros: "O Relato de Próculo"; "Israel Rêmora" (Prémio Fernando Chinaglia em 1974); "A Canga"; "A Batalha de Oliveiros" (Prémio Instituto Nacional do Livro, em 1988); "A Verdadeira Estória de Jesus"; "Shake-Up" e "Zé Américo foi princeso no trono da monarquia".



Paisagens antigas 
do nosso querido e esquecido Açude Grande.
 ......................................................................
Uma das imagem mais antiga. Só existia sitios entorno do Açude Grande.
Outra Imagen anitigo do açude. Vista do antigo 1º de Maio. Aqui, 
já existia urbanização abaixo da parede, mas não existia o Tênis Clube. 
Imagem Gravada (quase) do meio da parede. Ainda não existia o Clube 
1º de Maio. Observe o modelo clássico da postiação elétrica da época.
Outro aspecto do baldo do Açude Grande. Observe como era as escadarias
que devam acesso a barreira
Imagem gravada (quase) do início da calçada do Tenis Clube. Já existia 
o Clube 1º de Maio. Foto tirada possivelmente entre os anos 50 a 60.
Imagem gravada no início da calçada do Tênis Clube.
Imagem mais recente. Do blog. pncavalcante.blogspot. com


domingo, 9 de outubro de 2011

"A Cor da Cultura" será lançado em Cajazeiras

A 9ª Gerência Regional de Educação do Estado da Paraíba, com sede em Cajazeiras, abrirá no dia 10 de outubro, segunda-feira, às 8h00, no Teatro Íracles Pires, o Projeto “A Cor da Cultura”, abordando várias nuances da Cultura Afro - brasileira. Com apoio da Rede Globo de Televisão, Canal Futura e outras entidades culturais e sociais, o Projeto será coordenado em Cajazeiras por Raquel Rolim e Ilda Rodrigues, que convidam a todos a participarem da solenidade de abertura e de toda a programação, que se estenderá até o final deste mês.



Atores de Cajazeiras são os únicos nordestinos a participarem de "O Filme dos Espíritos", que tem lançamento nacional


         A Paraíba é o único estado nordestino a contar com participação de cinco atores em “O Filme dos Espíritos”, que estreará, nacionalmente, próxima sexta-feira (dia 7 de outubro). Com produção do Mundo Maior Filmes e distribuição do Paris Filmes é dirigido por André Marouço e Michel Dubret. Conta a história de um homem que após perder a esposa e a caminho do suicídio, se depara com “O Livro dos Espíritos”. Aí começa a jornada de transformação interior rumo aos mistérios de vida espiritual e suas influências no mundo material.
      Exemplifica a lei de ação e reação através da reencarnação e mostra que as relações humanas, fundamentadas em amor e ódio, não se rompem com a morte. Ao lado de atores consagrados como Reinaldo Rodrigues, Nelson Xavier, Ana Rosa, Ênio Gonçalves, Etty Fraser e participação especial de Luciana Gimenez, os atores paraibanos são: Larissa Mayara, Karen Caroline Chaves, Anacleto Vieira, Andersom Rolim e Francisco Hernandez de Oliveira.
      O filme é um longa que reúne no conteúdo seis curtas-metragens. O premiado da Paraíba foi "Mamãe, café e água". Para participar da produção cinematográfica, o elenco paraibano concorreu com mais de 100 roteiros oriundos de diversas partes do Brasil. Produzido por uma equipe do Centro Espírita “Os Cireneus do Caminho”, em Cajazeiras, fazem parte do Grupo de Teatro Renascer (GTR).
      Segundo a líder do grupo e diretora do Departamento de Divulgação de “Os Cireneus do Caminho”, Lúcia Siébra, a equipe elaborou o roteiro “Mamãe, café e água”, baseado no tema “esperanças e consolações” de O Livro dos Espíritos e enviou para a produção. Ela disse que a equipe recebeu a notícia da seleção com um misto de surpresa e alegria.
       O curta "Mamãe, café e água" trata de uma jovem mãe de família vive seu cotidiano recordando o dia do assassinato de seu marido. Correndo igualmente perigo de vida, é aconselhada pelo padre local, e passa a entender a possibilidade da felicidade futura, baseada no perdão, no presente.
       A filmagem do curta foi realizada no distrito de Várzea da Ema (Santa Helena) cidade vizinha de Cajazeiras. Para isso, a equipe do Mundo Maior (São Paulo) passou dez dias fazendo teste com os atores profissionais e amadores para produção do curta. Além disso, Edivânia Figuerêdo Rodrigues, do Grupo Espírita “Os Cireneus do Caminho” foi convocada a participar da equipe de filmagem do longa em São Paulo.
      Além dos atores, o curta contou com os roteiristas: Andersom Rolim de Brito, Francisco José Gonçalves e Ricardo dos Santos, além do coadjuvante do diretor, Janduí Cassemiro. O filme é inspirado em O Livro dos Espíritos e os interessados em conhecer antes pode conferir a edição virtual no portal www.fepb.org.br

Veja o Trailer abaixo


 

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Quem era o homem que atacou Cajazeiras?

Cleudimar Ferreira


    Sabino Gomes de Góis, alusivamente conhecido como “Sabino das Abóboras” nasceu na Fazenda Abóbora, localizada na zona rural do município de Serra Talhada/PE, próximo a fronteira com a Paraíba pertencente ao respeitado coronel Marçal Florentino Diniz pai de Marcolino Pereira Diniz. No local eram criadas grandes quantidades de cabeças de gado, havia vastas plantações de algodão, engenho de rapadura e se produziam muitas outras coisas que geravam recursos. Também existem dois riachos, denominados Abóbora e da Lage, que abastecem de forma positiva a gleba.

     Sabino era filho da união não oficial entre o coronel Marçal Florentino Diniz e uma cozinheira da fazenda. Consta que ele trabalhou primeiramente como tangedor de gado, o que certamente lhe valeu um bom conhecimento geográfico da região. Valente, Sabino foi designado comissário (uma espécie de representante da lei) na circunvizinhança da fazenda Abóbora.

      Para alguns estudiosos do cangaço teria sido Sabino que coordenou a vinda do debilitado Lampião para ser tratado pelos médicos José Lúcio Cordeiro de Lima e Severino Diniz de um ferimento no pé ocasionado pelo confronte do chefe do cangaço com a polícia na localidade de Serra do Catolé, pertencente ao antigo município de Vila Bela, hoje Serra Talhada/PE. E que a amizade entre “Lampião” e o filho bastardo de Maçal Diniz, teria nascida na Fazenda Abóbora e se consolidado a ponto de Sabino se juntar ao “Rei do Cangaço” e seu bando, em uma posição de destaque, no famoso ataque de cinco dias ao Rio Grande do Norte, ocorrido em junho de 1927.

       Asseguram também que a inserção de Sabino no cangaço se deu em razão do assassinato de um primo legitimo seu de nome Josino Paulo surdo-mudo, morto por Clementino Quelé - conhecido por tamanduá vermelho, nas pilhérias do cangaço. Por outro lado a corrente, que defende o ataque a cidade de Souza como porta de entrada de Sabino no bando de Lampião. Fato esse que veio a antecipar o afastamento do líder cangaceiro ao poderoso coronel  Zé Pereira, de Princesa, cunhado de Marcolino Diniz.

       Entre 1921 e 1922, acompanhou seu meio irmão Marcolino para Cajazeiras. Marcolino Pereira Diniz desfrutava de muito prestígio político. Era presidente de clube social, dono de uma casa comercial e do jornal “O Rebate”. Tinha franca convivência com a elite cajazeirense. Sabino por sua vez era guarda costas de Marcolino e andava ostensivamente armado. Nesta época Sabino passou a realizar nas horas vagas, com um pequeno grupo de homens, pilhagens nas propriedades da região.

      Foi através do Cel. Marcolino, que Sabino trouxe para residir na cidade sua mãe Maria Paula - carinhosamente chamada pelas pessoas de Vó e suas quatros filhas: Maria, Geni, Alaíde - Nazinha e Maria de Lourdes - Delouza.

      Em 13 de março de 1928, já completando um ano da ousada investida a cidade de Mossoró/RN, Sabino se dirigiu com Lampião e seu bando para a região do cariri cearenses, entrando nas terras alencarinas pelos lados de Macapá, atual Jatí, indo em direção a Fazendo Batoque de propriedade do coiteiro Antonio Teixeira Leite (Seu Antônio da Pirraça como era conhecido). Arranchados nas terras da fazenda o bando de Lampião foi alcançado por uma volante comandado pelos tenentes: Arlindo e Eurico Rocha e o sargente Manoel Neto. Numa noite de chuva forte e muito relâmpagos no céu, Sabino e mais outros comparsas, se deslocaram até a sede da fazenda, para buscar munições e armas, e ao atravessar por um "passadiço" de uma cerca, foi iluminado por um relâmpago, sendo visto e alvejado rapidamente pelos policias da volante de Arlindo Rocha. Era a morte e o fim de Sabino das Abóboras.

      Poucos cangaceiros foram tão cultivados, fora o chefe Lampião, do que Sabino Gomes, cuja presença no cangaço a cultura popular se encarregou de perpetuar, a exemplo da trova divulgada pelas bandas do sertão, a qual dizia: "Lá vem Sabino mais Lampião, Chapéu quebrado,  fuzil na mão".

Antigo casarão (sede) da Fadenda Abóbara - hoje
Cel. Marcolino Pereira Diniz (dono nos anos 20 do jornal "O Rebate" de 
Cajazeiras) e seus homens de confiança
Local da morte de Sabino - Fazenda Batoque, Sítio Jati -Cariri/CE

Antonio Teixeira Leite (Seu Antônio da Pirraça) em sua casa 

na   Fazenda Badoque/CE





terça-feira, 4 de outubro de 2011

Banda Super Som 7

Remember is living!
Banda Super Som 7. Riba (no centro), Nenen (camisa do 
Flamengo) e Marlon (de calça azul - a direita de Riba), Paulinho 
(a esquerda de Nenem) e Alcino (entre Riba e Marlon)
Antiga formação da Banda Super Som 7 - Foto tirada no
Morro do Cristo Redentor
Momentos de folga da Banda Super Som 7
Sítio Patamuté, anos 70, Casa de Riba (no meio da foto) ao seu 
lado Neném e João Robson (em pé) 
Outra formação da Banda Super Som 7 Olivan Big Boy 
(Bateria), Nenem de Iraídes (Guitarra),Griguilin (Vocal), 
Nael (Guitarra), Zezin de Jorge (Baixo) e 
João Robson (Percussão)




Sábado
* Música muita cantada pelas bandas: Placa Luminosa, Roupa Nova e Impacto 5, nos dias de festa das Semanas Universitárias no Cajazeiras Tênis Clube.
 
Sábado eu vou à festa
Vou levar meu violão
Vou cantando uma canção
Que eu decorei
Sábado eu vou à festa
Numa nuvem de algodão
E entre estrelas vou abrir meu coração
E vou encher de vagalumes teu cabelo,
Respirar o ar do céu, vou
Eu quero o céu e vou com guizos nos sapatos
Minha roupa em farrapos coloridos vou rasgar
E vou dançar entre os cristais azuis do tempo e esquecer
A terra longe, longe, longe
A se perder

Abaixo duas versões de "Sábado". Roupa Nova e Impacto 5.










segunda-feira, 3 de outubro de 2011


Fachada do Antigo Hotel Oriente. De linhas ecléticas que lembra muito
bem a arquitetura do período clássico romano, o hotel faz parte do 
pequeno acervo que restou dos velhos casarões de Cajazeiras.

sábado, 1 de outubro de 2011

Atores de Cajazeiras participam de produção nacional.

Participam do filme Mayara Karem e  Francisco Hernandez

A Paraíba é o único estado nordestino a contar com participação de cinco atores em “O Filme dos Espíritos”, que estreará, nacionalmente, próxima sexta-feira (dia 7 de outubro). Com produção do Mundo Maior Filmes e distribuição do Paris Filmes é dirigido por André Marouço e Michel Dubret. Conta a história de um homem que após perder a esposa e a caminho do suicídio, se depara com “O Livro dos Espíritos”. Aí começa a jornada de transformação interior rumo aos mistérios de vida espiritual e suas influências no mundo material.

Exemplifica a lei de ação e reação através da reencarnação e mostra que as relações humanas, fundamentadas em amor e ódio, não se rompem com a morte. Ao lado de atores consagrados como Reinaldo Rodrigues, Nelson Xavier, Ana Rosa, Ênio Gonçalves, Etty Fraser e participação especial de Luciana Gimenez, os atores paraibanos são: Larissa Mayara, Karen Caroline Chaves, Anacleto Vieira, Andersom Rolim e Francisco Hernandez de Oliveira.

O filme é um longa que reúne no conteúdo seis curtas-metragens. O premiado da Paraíba foi *Mamãe, café e água. *Para participar da produção cinematográfica, o elenco paraibano concorreu com mais de 100 roteiros oriundos de diversas partes do Brasil. Produzido por uma equipe do Centro Espírita “Os Cireneus do Caminho”, em Cajazeiras, fazem parte do Grupo de Teatro Renascer (GTR).

Segundo a líder do grupo e diretora do Departamento de Divulgação de “Os Cireneus do Caminho”, Lúcia Siébra, a equipe elaborou o roteiro “Mamãe, café e água”, baseado no tema “esperanças e consolações” de O Livro dos Espíritos e enviou para a produção. Ela disse que a equipe recebeu a notícia da seleção com um misto de surpresa e alegria.

O curta Mamãe, café e água trata de uma jovem mãe de família vive seu cotidiano recordando o dia do assassinato de seu marido. Correndo igualmente perigo de vida, é aconselhada pelo padre local, e passa a entender a possibilidade da felicidade futura, baseada no perdão, no presente.

A filmagem do curta foi realizada no distrito de Várzea da Ema (Santa Helena) cidade vizinha de Cajazeiras. Para isso, a equipe do Mundo Maior (São Paulo) passou dez dias fazendo teste com os atores profissionais e amadores para produção do curta. Além disso, Edivânia Figuerêdo Rodrigues, do Grupo Espírita “Os Cireneus do Caminho” foi convocada a participar da equipe de filmagem do longa em São Paulo.

Fonte: blog cancaonoticias


Show musical de Paulo Ró no NEC



O projeto Estação da Música traz, neste sábado (1º), o show do músico pessoense Paulo Ró, a partir das 20h30, no Núcleo de Extensão Cultural (NEC) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na antiga Estação Ferroviária, próximo ao Fórum Dr. Ferreira Júnior. A entrada é gratuita. 

O músico instrumentista, compositor e ativista cultural paraibano trabalha com pesquisas e experimentações musicais desde 1970, quando em parceria com o seu irmão Pedro Osmar criou o grupo de resistência cultural paraibano Jaguaribe Carne de Estudos. A sua musica é composta de melodias com linguagens simples, tradicional e melodias mais contemporâneas, (atonais, minimalistas), temas experimentais, além de ritmos tradicionais, primitivos, que se misturam com ritmos elaborados, compostos em 5,7,9, compassos. 

No seu novo trabalho, "Cantus Popularis", o artista busca inspiração nos ricos e raros nichos das raízes da cultura musical brasileira, o folclore. Neste Trabalho Paulo Rô, mostra, de forma original, a transformação musical e sonora dos cantos e ritmos tradicionais, através de uma nova instrumentação, novos arranjos, sem, no entanto ocultar a originalidade, a beleza e a identidade da música popular de raiz.

Matéria colhida do blog http://coisasdecajazeiras.blogspot.com