segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Os poemas de Aldo Lins

O GUIA 

Na rua 24,
Havia um menino
Que sabia onde morava
Um médico, um açougueiro,
Um engraxate, um sapateiro,
Um jornalista, um carteiro,
Um motorista, um coveiro.

Na rua 24,
Havia um menino
Que sabia onde morava
Um malabarista, um engenheiro
Um pintor, um cozinheiro,
Um soldado, um ferreiro,
Um padre, um padeiro.

Na rua 24,
Havia um menino
Que sabia onde morava
Um advogado, uma prostituta,
Um músico, um sineiro,
Um garçom, um enfermeiro,
Um professor, um biscateiro.
 

Mas ninguém sabia do menino
Que não tinha onde morar.
 

ESTATÍSTICA  

Na rua São João
João morreu atropelado.

Na rua Santa Maria
Morreu Maria assassinada.

Na rua São jorge
Jorge morreu drogado.

Na rua dos navegantes
Pedro morreu afogado.

Numa rua sem nome
Um corpo não foi identificado.

Na parada do ônibus
Uma criança espera seu anjo da guarda. 

CACHAÇATÔMICA 

Me armei com o copo e a espada
E a minha lança perfumada
Como um infante
Que perdeu a infância
E a minha infantaria.

Não reconheci o meu inimigo
Só no espelho o coração ferido
Como um cavaleiro
Que perdeu a dama
E a cavalaria.

Arremessei cem copos
De goela abaixo
E atravessei a rua
Como um artilheiro
Que perdeu o gol
E a artilharia. 

REGRESSO

Devolvam-me
Meu castelo, minha espada, meu anel
E as fotografias amarelas guardadas
Na minha cômoda de cristal

Devolvam-me O credo para atravessar fronteiras
E o espelho d'água entre as dunas
Onde eu fazia a lua para brincar

Devolvam-me
A minha tabuada mágica
E as histórias de um vento azul
Que traziam anjos às madrugadas

Devolvam-me
Meu uni-verso, suspiro poéticos e saudades
De andar a pé, olhar o céu, cantar um fado
No Pátio das Flores, no Arco das Portas do Mar. 

A JANELA 

Deste ângulo vejo os escombros
Onde antes eram castelos
E reinava a fantasia
De minha pequenez 

E a solidão e o desconforto das ruas
Violência que converte transfigura
Com suas botas de sete léguas
Ao silêncio de uma cova escura
 

Da janela, vejo uma naja
Brotando no colo das flores
Desenhos fantásticos surgidos
Nas ruínas do muro de arrimo
 

Da janela, ouço o grito do sangue dos oprimidos
Onde antes eu ouvia o canto do sabiá
E eu nem sabia como era sábia
A vida de quem chorou
Quando não o encontrou mais a cantar. 

SÚPLICA 

Ensinai
A cavalgar os mares do teu corpo
Sereia de cactos e juazeiro
De mãos de seda e de marfim
Cabelos soltos graúnas
Nos cata-ventos bálsamo de alecrim

Iluminai
Oh! Rosa linda, o meu olhar
Porque guardo na algibeira o teu retrato
A casa nua na montanha
A estiagem nos pastos da aldeia
Que nem a tristeza estridente de um faquir
Com os seus ruídos enegrecidos de agonia
Apagará em mim teu brilho


Quem é Aldo Lins:

         Aldo Lins nasceu em Cajazeiras, em 1959. Participou no final da década de 70 e início dos anos 80 de um grupo independente de teatro que tinha como principal liderança o ator e diretor cajazeirense, Tarcísio Siqueira. Nesse mesmo período, chegou a fazer parte do elenco de atores do Grupo de Teatro Mandacaru, formados por jovens amadores da “Engenheiro Carlos Pires de Sá.” Na segunda metade da década de 80, veio morar em João Pessoa para fazer um curso Universitário. Em João Pessoa, Aldo Lins publicou artigos na Revista Bazar e nos principais Jornais de nossa capital. 
        É radicado em Recife desde o final da década de 90, onde se engajou nos movimentos de poesia alternativa da cidade, publicando poemas em revistas e fanzines. Autor em parceria com o poeta José Terra, do projeto Hospício Poético - o canto mais lúcido do Recife. Que anexou uma coletânea de recitais mensais que ocorreu entre os anos de 2003 e 2004. Iniciativa bem sucedida que repercutiu na paisagem urbana da capital pernambucana. Através do IDS - Instituto de Desenvolvimento Social coordena o Recital Poético Canta Boa Vista que reúne desde o ano de 2007, uma grande quantidade de poetas e declamadores entorno da divulgação da poesia. Atualmente ministra através da FUNDARPE - Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco - oficinas literárias para a Rede Estadual de Ensino. É autor do livro "Alma de Vidro", editado em 2002. Participou em 2004, da Marginal Recife: coletânea poética III, organizada por Cida Pedrosa, Miró e Valmir Jordão da Fundação de Cultura Cidade do Recife


 

Nenhum comentário: