domingo, 30 de setembro de 2012

Letra e Música do Hino Oficial de Cajazeiras



Cajazeiras teu nome reluz
Numa auréola de amor e glória
Desde o berço - essa fonte de luz,
Que traçou teu destino na história.

É por isso que vimos ufanos
Festejar tua glória inconteste,
Que resplende e ilumina, há cem anos,
Terra e céus dos sertões do Nordeste.

Por que mais resplandeça e se veja
Teu roteiro entre as coisas da terra,
Esta fonte brotou junto à Igreja,
Que teus feitos maiores encerra.

As pessoas que bebem sequiosas
A água viva a correr dessa fonte
Sentem n'alma perfume de rosas
E lampejos de sol sobre a fonte.

Bem sentimos que vem esse brilho,
Como todos os dons que são teus,
Das sementes de luz que teu filho
Semeuou sob as bênçãos de Deus.

Praza aos céus que essa chama bendita,
Hoje acesa, se alteie sempre assim,
Crepitando como ora crepita
Em memória do Padre Rolim.
................................................................................
Letra: Cristiano Cartaxo
Música: Pedro Santos

Sobre os autores do hino:


C r i s t i a n o  C a r t a x o
Nome dos mais expressivos dos meios intelectuais da Paraíba, não quis, por exagerada modéstia, ocupar uma das cadeiras da Academia Paraibana de Letras, quando convidado pelo saudoso beletrista Cônego Matias Freire. A sua vasta e excelente produção poética andava esparsa pelos jornais e revistas da Paraíba e do Ceará até que seu genro, Mozart Soriano Aderaldo, lembrou-se de reuni-la ao ensejo das comemorações de seus 70 anos. Posteriormente, após sua morte, seus familiares publicaram um segundo livro: A Musa Quase Toda.


P e d r o  S a n t o s
Pedro Santos foi maestro, fundador do Coral Universitário da UFPB, do Madrigal Paraíba, Coral do IPE, Coral da Telpa, Coral da Ibrave e regente das Orquestras Sinfônica de Câmara do Estado da Paraíba. Destacou-se como um dos articuladores do movimento pela criação do Departamento de Artes e Comunicação e fez parte do grupo responsável pela criação do Núcleo de Documentação Cinematográfica (NUDOC). Pedro fez incursões pelo cinema sendo também um dos implementadores do Programa Cinema Direto, em convênio com a Universidade de Nanterre, na França. Foi autor de música para teatro e cinema, tendo participado de vários projetos nessas áreas. Estudou no Instituto Villa-Lobos e no Conservatório Nacional onde foi aluno de Heitor Villa-Lobos.



sábado, 15 de setembro de 2012


Sodade Meu Bem Sodade. 
Música do compositor cajazeirense Zé do Norte, na interpretação marcante da cantora Socorro Lira, ganhadora do 23º Prêmio da Música Brasileira - categoria de Melhor Cantora Regional. O vídeo foi gravado no SESC Pompeia, São Paulo, em 2011, durante o show do Projeto Das Bandas de Lá Paraíba, que contou com a participação ainda de Cátia de França. Para interpretar a música, Socorro Lira teve os brilhantes arranjos de sanfona de Olívio Filho e contrabaixo acústico de Cássia Maria. A apresentação do show foi do compositor Chico César. 

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Imagem Restaurada. 

Direto do Sebo
"U m a  f o t o  h i s t ó r i c a" 
Direto dos estúdios da Rádio Alto Piranhas, o trepidante radialista e músico 
Zeilton Trajano entrevista o nosso eterno (na moral) Prefeito Popular de Cajazeiras, 
em 1972, João Bosco Braga Barreto.



sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Anna D`Lira, um talento do nosso teatro.



             
A personagem Rosa de "Mundo da Lua" Tv Cultura               


Cajazeiras é a terra da cultura. Um título popular merecido e inquestionável, adquirido através da pujança de suas realizações no campo das manifestações artísticas e culturais; entre elas as artes cênicas, que durante décadas colocou a cidade entre as mais promissoras de todas do interior do nordeste. Essa linguagem fez história e obviamente, fez também seus personagens que o nosso inconsciente não apagará jamais. Quem não se lembra da atuação das divas da nossa dramaturgia dos anos 60 e 70 Lací Nogueira (1938 - 2011) e Íracles Pires; os mais recentes trabalhos de Marcélia Cartaxo, Sôia Lira e Raquel Rolim, no cinema e no teatro paraibano. Mulheres que se deram e dão o máximo para mostrar suas performances e fazer reconhecer seus talentos, seja no palco ou nas telas dos cinemas. 

Mas será que na citação das nossas mulheres atrizes não há um referencial a mais a ser lembrado; um exemplo de dedicação, perseverança; de busca da valorização e alta afirmação numa profissão bastante competitiva, onde as oportunidades são raras. A atriz Anna D`Lira, conhecida no meio teatral por todos nós como Aninha é um exemplo a ser seguido, porém, com algumas restrições se a mesma não tivesse, pelo que sabemos, praticamente abandonado a arte que lhes projetou no cenário nacional. Sua trajetória poderia ter o percurso parecido com as de Sôia Lira, Marcélia Cartaxo e demais, que diante das oportunidades que surgiram nesse segmento promissor, fizeram do teatro e do cinema, ócio do ofício e até hoje estão na ativa e muito bem obrigado. Com Anna D`Lira fui tudo diferente. 

Começou nos anos 70, fazendo teatro com Tarcísio Siqueira no Grupo Cajá, onde era a atriz principal do elenco de Tarcísio. Depois, já nos anos 80, teve uma rápida passagem pelo Grupo Terra, ao lado de nomes como Marcélia Cartaxo, Sônia Lira e Nanego Lira. Ainda nos anos 80, depois de ser graduada em Letras-Cajazeiras, Anna D`Lira frequentou ainda as aulas do curso de Direito pela UFPB em João Pessoa, para em seguida se transferir para São Paulo. Na capital paulista, diante de um mercado em ascensão, foi trabalhar na TV Cultura ou lado de grandes atores como Gianfrancesco Guarnieri  e Antônio Fagundes no seriado “Mundo da Lua” na década de 90. 

Elenco principal do seriado "Mundo da Lua"

No seriado ela incorporou a personagem Rosa de Sousa, uma despachada empregada que cuidava da casa da família Silva e Silva, e esperava ansiosamente o dia do seu casamento com o namorado Marcelo (que não aparecia nunca em cena). Passava o dia ouvindo o programa do radialista Ney Nunes (voz de Dorvilles Pavarina) enquanto cuidava dos afazeres da casa. Rosa conversava com o radialista, interagia com o locutor, crente de que ele a escutava. A personagem era divertida e fã número um do radialista. Como o seriado era destinado ao público Infante juvenil, a personagem da Anna D`Lira logo se tornou  um sucesso tremendo entre as crianças, que se sentiam atraídas pelo talento da atriz cajazeirense. 

Entretanto, a atriz não levou adiante sua carreira que poderia tê-la transformado em uma das grandes atrizes da Tv brasileira. Pois talento ela tem de sobra. Preferiu trocar essa promissora carreira por uma residência fixa fora do Brasil e foi morar no exterior. Casada, hoje reside na Suíça, onde segundo rumores, dá aulas de língua portuguesa para estrangeiros naquele país.




Atrizes do nosso teatro em diversas épocas





 1. Anna D`Lira, 2. Íracles Pires-Ica, 3. Lací Nogueira, 4. Marcélia Cartaxo, 
5. Sôia Lira, 6. Raquel Rolim, 7. Suzy Lopes.


*As informações que compõe a matéria
desta postagem, foram pesquisas feita na internet




domingo, 2 de setembro de 2012


Imagens Restauradas

Imagens Aéreas de Cajazeiras

Quatro imagens aéreas da nossa querida Cajazeiras, produzidas pelo antigo Studio do Fotógrafo Lira, possivelmente reveladas entre os anos 30 e 50. As duas primeiras, mostra como era na época, a Av. Padre Rolim e o conjunto urbano que o margeava, com destaque para o paço municipal, Praça e Prefeitura.  

A primeira imagem abaixo exibe um trecho da cidade onde situava o perímetro ferroviário com estação, trem e armazéns, um período em que não havia ainda o prédio da antiga rodoviária, agência do Banco do Brasil e a imagem do Cristo Rei. 

Na outra ao lado, no cruzamento da Rua Samuel Duarte com a Av. Juvêncio Carneiro, podemos ver na esquina a antiga cadeia pública que foi demolida para ser construída no local a atual agência da Caixa Econômica Federal. Pelo ângulo em que as imagens foram captadas, conclui-se que elas foram feitas da torre da Catedral de Nossa Senhora da Piedade. É só abrir as imagens e curtir, sentir como era a nossa cidade no passado.