sábado, 13 de julho de 2013

Fotografias que ajudam a contar a história do Teatro Amador de Cajazeiras.



Grupo de Teatro Terra. "Os Pirralhos", (Cena da Banheira) 
direção de Luiz Carlos Vasconcelos. Peça montada em 1978. 
Nanego Lira, Toca e Teinha (de Pombal). Toda produção da peça foi feita 
dentro da Escola de Teatro Piolim, em João Pessoa. 

Grupo Cênico Boiada. "O Palhaço e o Filha da Lua contra o Caçador da Floresta",
texto e direção de Marcos Pequeno. 1983 - Agnaldo Cardoso (Filho da Lua) 
Cleudimar Ferreira (Curupapo). A peça foi a primeira encenação
experimental de teatro infantil da cidade e única montagem 
feita pela extinta Escola de Teatro do NEC - Núcleo de 
Extensão Cultural, instalada pela UFPB em Cajazeiras. 

Teatro de Amadores da Cajazeiras (TAC) "O Noviço" 
do clássico de Aluísio Azevedo. Década de 60. 
Mailson da Nóbrega (ex-Ministro da Fazenda) 
interpreta um Padre.

Grupo de Teatro Amador de Cajazeiras (GRUTAC). "Fé-Ré", Texto e 
direção de Ubiratan Assis. 1974. Clizenite AssisBeto Montenegro
Deir Mangueira, Antonio Carlo Vilar. A peça foi a representante 
da cidade no Festival de Inverno de Campina Grande, 
obtendo elogios de Pascoal Carlos Magno, presente ao evento. 
O texto sofreu contundentes cortes da censura 
na época - um médio de 18 cortes. 

Grupo de Teatro Amador de Cajazeiras (GRUTAC). "Fé-Ré" 
texto e direção de Ubiratan Assis - 1974. Ubiratan Assis, 
Antonio Carlos Vilar e Clizelite Assis.

Grupo de Teatro Amador de Cajazeiras (GRUTAC). "Aí", texto e 
direção de Ubiratan Assis. 1978.  Ubiratan Assis, Beto Montenegro 
e Antonio Carlos Vilar. A peça foi censurada pela Polícia 
Federal da Paraíba e proibida de ser encena em 
todo território nacional.

Teatro Amadores de Cajazeiras (TAC) "Auto o da Compadecida", 
Texto de Ariano Suassuna. Anos 60. Jarismar e Marcos Bandeira 

Teatro Amadores de Cajazeiras (TAC) "Foi eu mais não espalhe", 
texto e direção de Íracles Pires. Inicio dos anos 80. No limitado 
palco do Cine Teatro Apolo II. Ilma (canto direito), 
Jú Coelho (no centro) e Francinaldo (de lado)

Teatro de Amadores de Cajazeiras (TAC) "O Auto da Compadecida", 
texto de Ariano Suassuna, direção de Íracles Pires. Década de 
60. O elenco da direita para esquerda da foto: Zenilto 
AlcântaraPedro Gomes (João Grilo), Maílson da Nóbrega (Chicó), 
Lacy Nogueira e Judivan.

Grupo de Teatro Terra. Década de 80. Marcélia Cartaxo, 
Eliezer Rolim e Nanego Lira.


Grupo Teatral Esperança (GTE). Peça: "A Vitória da Minha Inocência" 
Ator Chico Amaral - Teatro Comunitário em 1982. 

O ator Tarcísio Siqueira em “As mãos de Eurídice”. 
Apresentação nos anos 80 no Colégio Polivalente. Tarcísio começou no 
Grupo de Teatro Amador de Cajazeiras (GRUTAC), juntamente com Ubiratan 
Assis, Clizélia e Cizenite Assis, Beto Montenegro, Antônio Carlos, Hermes 
Felinto, Geraldo Ludugero. Tempo depois, deixou o (GRUTAC) e fundou o 
Movimento de Teatro Amador de Cajazeiras (METAC).


Os atores Nanego Lira e Sôia Lira em os Piralhos, peça dirigida 
por Luiz Carlos Vasconcelos, em 1978. 


A atriz Sôia Lira em os Pirralhos, peça dirigida 
por Luiz Carlos Vasconcelos, em 1978. 

Os atores Tarcísio Siqueira e Francisca Pereira, 
em Uma "Gota de Liberdade" peça dirigida 
por Tarcísio Siqueira, em 1984. 


Os atores Francisco Tabosa, Chico Amaral e (...), 
em "Cadê os Direitos Dotor" peça dirigida 
por 
Chico Amaral, em 1985. 


Os atores Soia Lira e Lincoln Rolim
em "Os Pirralhos" 
peça dirigida por Luiz 
Carlos Vasconcelos, em 1978


Os atores Marcélia Cartaxo,Soia Lira e Nanego Lira
em "Beiço de Estrada" 
peça dirigida 
por Eliezer Rolim


Os atores Nenego Lira e Marcélia Cartaxo
em "Beiço de Estrada" peça dirigida 
por Eliezer Rolim


Teatro de Amadores de Cajazeiras (TAC) "O Auto da Compadecida", 
texto de Ariano Suassuna, direção de Íracles Pires. Década de 
60. O elenco da direita para esquerda da foto: Lacy, Judivan, Solidônio, 
Sebastião e Marcos Bandeira






Um comentário:

AC2B disse...

Cleudimar, em nome do GRUTAC, muito OBRIGADO pelo belo registro fotográfico de nosso Teatro amador de Cajazeiras. Forte abraço, Bira di Assis