sexta-feira, 27 de maio de 2016

OS PASSOS DO NOSSO (ANTIGO) TEATRO AMADOR

Cleudimar Ferreira


Os caminhos traçados pelos primórdios do teatro amador de Cajazeiras para chegar onde está na atualidade ou no que representa hoje, com seus atores semiprofissionais, afoitos, rompendo as cortinas dos teatros por aí a fora; sendo seus talentos expostos nas salas e as ecléticas massas culturais consumistas; justificados através dos brilhantes trabalhos feitos no cinema nacional e na TV; comprova que durante décadas, os persistentes  passos dados por esses artistas da representação só podiam desencadear na contemporaneidade, numa trilha de sucesso e de preenchido ego para história da dramaturgia cajazeirense.
Caminhos doravante duros, guardados em páginas amarelados de jornais, porém, compensadores nos dias atuas; revelam como foram as lutas, pelejas e dificuldades a fins dos nossos atores amadores. Nesse pequeno escrito por Francisco de Assis, publicado no jornal “A União” do dia 28 de agosto de 1980 - quarta-feira, página 6 - Interior, ele ensaia esse passado de lutas, quase que de forma apelativa, buscando tocar o sentimentalismo das nossas autoridades públicas da sua época.
No ordinário artigo de Francisco de Assis, nesse tempo, iniciante diretor teatral do grupo “Um Grupo”, que era formado pelo próprio autor do texto, e pelos atores amadores: Gleryston Oliveira - hoje radialista militante na imprensa cearense, Marcos de Andrade, Elizabeth, Danilo Moésia e Cleudimar Ferreira; Francisco de Assis, relata essas dificuldades e os sonhos da classe, impulsionados pelas lendárias apresentações dos dramas circenses, falta de espaços para ensaios, para apresentações e o não apoio financeira para as produções amadoras na cidade, por parte das instituições públicas. Veja o texto abaixo.

Encenação da peça: "397" - Grupo Cênica Boiada, 1980


O TEATRO NÃO PODE PARAR

Francisco de Assis Silva Oliveira

A saudade das coisas passadas nos faz buscar coisas novas. E é no passado onde fomos encontrar os melhores momentos nos palcos dos circos, anunciando artistas internacionais, leões africanos, gorilas, ciclistas e os “dramas” no final. “Coração de Luto”... “O Ébrio”, fazia cortar corações das mais jovens donzelas, aos mais carrancudos dos “cabelos grisalhos”. E público vibrava, aplaudia, chorava.... Delirava! A vinda de um novo “Circus” era uma curiosidade que provocava lero-lero, tudo girando em torno do qual seria o “Drama” de hoje. Todas as noites parecia que a lona iria desabar com toda aquela multidão chorosa, ansiosa por um novo espetáculo.

Estamos mais recentemente agora, há uns 10 anos atrás, onde já não mais os “Dramas” circenses não são tão procurados. O palco é outro. Um dos primeiros locais de encenação é onde hoje fica localizada a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. E o Teatro Amador da Cajazeiras – TAC, é o mais destacado. Regularmente eram mostrados textos criados pelos próprios componentes do grupo, destacando entre eles Geraldo Ludgero, já falecido, Francisquinha Oliveira, Nazaré e outros. Depois nós mesmos criávamos e apresentávamos nossos próprios espetáculos. E o público começou a “assiduar”, a participar e a exigir mais apresentações. Cajazeiras não poderia mais parar por aí. Já não estávamos mais precisando de bons momentos de diversão vindos de fora. Nós já tínhamos nossas próprias apresentações.

Finalmente chagamos aos anos 80, depois de uma longa pausa. Os grupos teatrais de cajazeirenses já não mais são como antes. Os espetáculos já não são mais apresentados com frequência. Só nas amostras de Teatro Rápido, eles desentocam, saem do marasmo, e mostram trabalhos criados com muito esforço.

Conversando com um dos componentes do “Um Grupo” - Danilo Moésia, este me dia que “o problema é sério, pois as autoridades competentes em que nós devíamos encontrar todo apoio, a única coisa que encontramos é “cara-feia” e desinteresse. Essas pessoas deveriam ter ligação mais direta com o teatro e fazer algo para que realmente Cajazeiras possa se destacar fora, como uma cidade que faz Teatro Mesmo”.

Já, Marcos de Andrade, também do “Um Grupo”, falou a respeito dos atuas problemas enfrentado pelo grupo: “um deles é a falta de local para os ensaios, pois o local usado, o Colégio Diocesano é de propriedade privada”. Acrescentou ainda que: “no momento estamos preparando a montagem da peça “Dois Perdidos Numa Noite Suja”, de Plinio Marcos. Como não dispomos de dinheiro suficiente, enviamos oficio ao NEC – Núcleo de Extensão Cultural, aqui em Cajazeiras, requisitando verba no valor de Cr$ 7.835,00 para montagem do referido texto. Esse dinheiro se destinaria a construção do cenário, que é de vital importância para uma boa apresentação”. Indagado onde seria apresentada a peça, ele acrescentou ainda que “o melhor lugar, o Cine Teatro Apolo XI, dificilmente é cedido aos grupos”. Como se sabe o prédio pertence a Diocese local.

“Gostaríamos, na ocasião, de pedir ao Bispo de Cajazeiras Dom Zacarias Rolim Moura, que quando se fizer necessário, ceda o Apolo XI para apresentações, senão o teatro aqui nunca irá pra frente”. Como se ver, é um Drama se mostrar textos ao público cajazeirense.

Há um ano atrás, mais ou menos, o Sr. Governador Tarcísio de Miranda Burity, prometeu uma Casa de Teatro para nossa cidade e até o presente nada foi feito de concreto, enquanto isso os representantes do Grupo Boiada, Terra, Os Brasileirinhos, etc., continuam na expectativa, esperando uma medida séria, referente ao assunto.

Agora fico pensando: Nem os velhos espetáculos de circo temos mais.... Por onde eles andam? Será que o espetáculo vai parar?




Nenhum comentário: