sábado, 13 de agosto de 2016

As aventuras do "Capitão Brechó" (II)

Mais duas histórias publicadas por Alexandre Gomes no Jornal A União, em 1981.


A necessidade faz o ladrão

Francisco Alexandre Gomes


Corria o ano de 1877. Uma terrível seca assolava o Nordeste. E se nos dias hodiernos uma seca é um temível flagelo, imaginemos no século passado, quando quase não existiam estradas e as cidades não passavam de pequenos povoados. Tudo era difícil ou mesmo impossível. Nas cidades ou póvoas, não havia movimentação senão nos dias de feira e, mesmo nesses dias em tempo de penúria, pouca gente se deslocava para as vilas.

Justamente, naquele ano, Dona Honorina, a mulher do “Capitão”, ficou gestante, e, talvez para confirmar o provérbio: “quem é gerado em tempo ruim pede comida antes de nascer”, teve um desejo que era mais uma obsessão. Acordou, naquela manhã, antes da hora do costume e disse ao marido eu queria come tipa de boi com feijão. A princípio o marido não deu muita importância, mas a mulher insistia: queria comer tripa e bch de boi com feijão. Tantas eram as atormentações da mulher que o “Capitão” resolveu atende-la. Selou o cavalo e foi até a cidade de São João do Rio do Peixe.

Na cidade, quase não havia movimentação, apesar de ser domingo, dia de feira e de missa. E chagando a São João, o “Capitão” dirigiu-se logo ao açougue com a resolução firme d atender a vontade da patroa. Mas que desilusão teve ela. No açougue não havia um só pedaço de tripa de boi. Estava perdido, e a mulher ia mesmo perder a criança. Que desgraça! Nada podia fazer.

Desiludido, o “Capitão” pegou a montaria e saiu trotando por uma rua quase deserta. Santo milagre! Pois não é que nos fundos de um quintal estava secando ou sol um varal de tripa e bucho de boi!...

O “Capitão” nunca fora ladrão, nunca roubara nada de ninguém mas estava em jogo a vida do filho que ia nascer. Resoluto, ele sem ter que desmontar foi até o varal e encheu uma pequena bolsa de palha de carnaúba com as vísceras. Como era domingo e havia missa o “Capitão” amarou o cavalo num pé de árvore e entrou na igreja. Não sabia ele o que iria lhe acontecer. Deu-se que um molecote vira quando o “Capitão” tirava a mercadoria alheia e fora dizer ao dono da mesma, que era o vigário.

Inocentemente, o “Capitão” entrara na igreja, com a bolsa de lado, indo procurar assento já próximo do altar. Para surpresa do nosso herói, durante a homilia, o padre começo a falar de quem rouba, dizendo que roubar é um pecado grave e, num arrojo grandíloquo, afirmou: “Há pessoas neste mundo que são capazes de roubar até um naco de tripa que se põe ao sol para secar”. Dito isto o “Capitão”, homem de sangue no olho, valente como era, pegou a bolça e num ímpeto de raiva jogou-se aos pés do sacerdote espalhando tripa e bucho de boi para todo lado, chamando a atenção de todos os presentes. Em seguida gritou alto: “Cri Jess, seu pade, eu num sô ladrão não. Eu tirei essa poicaria pru caso de muié que tá de barriga e desejou cumê essas coisas, mais voimicê pode ir come isso no inferno que se meu tive de nascê ele nasce”. Depois desse discurso, retirou-se o “Capitão” da igreja, sendo acompanhado pelo sacristão que lhe devolvia a bolça com as tripas. O padre queria evitar um aborto depois que soube da verdade.




Um banho com água fervendo.

Francisco Alexandre Gomes


Sei que quem promete deve, e eu não gosta de dever nada a ninguém. No comentário anterior a este, havia eu prometido que continuaria a transformar as aventuras do “Capitão Brechó” em crônicas. Aqui está mais uma história.

Morava perto da fazenda do “Capitão” um sujeito que tinha a feia mania de ficar escondido dentro do mato, olhando as mulheres no banho de açude ou atrás das casas a noite para ver quando uma mulher saía para fazer alguma necessidade fisiológica, pois mesmo nas casas de fazenda naquela época não havia sanitário. E todas as mulheres da redondeza sofriam por causa das perseguições do tal maníaco sexual. Mas elas tinham medo de contar aos maridos, pais ou irmãos com receio de uma vingança por parte desse elemento, que era um sujeito metido a valentão.

Certa noite, as filhas do “Capitão” saíram para botar comida aos porcos e atender as suas necessidades fisiológicas ali mesmo perto do terreiro. Quando voltavam para a cozinha, viram que havia alguém dentro de uma ruma de estacas que estavam amontoadas perto da casa. Não gritaram. Fizeram que não tinha visto o tal sujeito entre as estacas, mas contaram para o pai que estava a pitar o seu cigarro de palha n alpendre. O “Capitão” tomando conhecimento do fato ordenou as filhas que botassem o grande caldeirão no fogo e ficassem na cozinha dizendo que ainda iriam botar mais comida aos porcos que a que tinha levado havia sido pouca.

Assim foi feito. As meninas obedeciam cegamente ao pai e ninguém era doida em contrariá-lo. Quando a água estava fervendo o “Capitão” tomou nas mãos o grande caldeirão e colocando-se em fila no meio das moças saiu com elas para o terreiro. Uma ia à frente com um candeeiro na cabeça, o pai no meio da fila. Chegando perto do amontoado de estacas o “Capitão” jogou de uma só vez toda a água fervendo onde estava o elemento escondido, na esperança de ver um tornozelo o coisa mais. O sujeito recebendo o banho quente saiu em disparada gritando como um louco.

Dias depois, chagando à casa do “Capitão” seu velho amigo e compadre Manuel Firmino. Entre uma conversa e outra o amigo lhe contou que José de Louro estava prostrado dentro de uma rede e seu corpo era uma ferida só. O homem estava caindo aos pedaços e podre em vida. O “Capitão” olhando fixamente para o compadre persignou-se e disse: “Cri Jisus, meu cumpade, é uma doença horrive que tá dano no povo pras bandas da Capitá e que tira o coiro da pessoa cuma água freveno”.



Cleudimar Ferreira

Nenhum comentário: