quinta-feira, 24 de novembro de 2016

"... SOBRE A FOTO DE ANTONIO TOMAZ."

O que se destacou nas páginas do facebook dos cajazeirenses essa semana, foi, finalmente, o aparecimento da tão esperada foto do aviador Antônio Tomaz, divulgada pelo historiador José Antonio de Albuquerque, em sua página no facebook, já que quase todas as fotos de personagens, personalidades, políticos, cajazeirenses e cajazeirados, haviam saído do baú e ganharam as páginas da internet nos últimos anos.

Digo assim porque desde 2014, vinha eu, vasculhando e revirando a internet, na ânsia de encontrar imagens do lendário homem dos céus sertanejo, que pudesse ilustrar um mutirão nas redes sociais, pelo reconhecimento da importância que foi esse piloto, para a história dessa atividade na cidade, que estava esquecido, e que pudesse contribuir na campanha feita nos últimos meses pela sociedade cajazeirense, para desatamento do nó que envolvia a questão do aeroporto de Cajazeiras.

Adiante ainda que em março neste mesmo ano, 2014, em uma postagem para o blog Cajazeiras de Amor, cujo título foi “Eles, a frente do tempo. “, destaquei, talvez, as primeiras informações na internet, sobre o senhor Antonio Tomaz.

A foto publicada pelo historiador José Antonio, provocou o surgimento de uma série de comentários de pessoas que se dizia ter conhecido Antonio Tomaz; e relatos de outras que conviveram e viveram situações ao lado do aviador de Cajazeiras e seu aviãozinho, em seus voos pelos arredores de Cajazeiras. Uma dessas situações que achei interessante, foi a vivida pelo pai de Bosco Marcial, seu Zé Cardoso, contada por Bosco, em uma postagem no seu facebook. Veja o que Bosco postou:  



O Voo do Fênix Nordestino
Bosco Maciel    

“.... Recebi esta foto de José Antônio Albuquerque – Cajazeiras/PB. Trata-se de Antonio Tomaz, (in memoriam). Morreu em acidente aéreo com seu teco-teco em Catolé do Rocha/PB. O precursor da aviação em Cajazeiras-PB, a cidade que ensinou a Paraíba a ler. Na década de 1950, esse senhor tinha um teco-teco (foto) que levantava e pousava em um pequeno aeroporto da Cidade. Papai, Zé Cardoso, torneiro mecânico, gostava de contar uma história em que ele, Antonio Tomaz e o Teco-Teco, passaram por um perigo danado. Foi assim: Papai tinha que ir consertar um motor em Açu/RN (acho que era o ano de 1960). E, contratou Antonio Tomaz para fazer a viagem. Levantaram voo em Cajazeiras/PB com destino à cidade rio-grandense. Depois de algumas horas de viagem papai percebeu, em meio à preocupação do Aviador, que estavam sobrevoando o mar há algum tempo. E, papai perguntou a Antonio Tomaz: - Antonio, nós estamos perdidos, pois faz tempo que só vejo água? E ele respondeu olhando o mapa entre as mãos trêmulas: - Sim, Zé Cardoso. E o pior que não acho Açu aqui no mapa e o combustível está pra acabar. Papai ficou desesperado achando que iam morrer no mar e já começou a olhar o mapa junto com o aviador, enquanto rezava pra tudo que é Santo. Foi quando Antonio Tomaz deu um grito: - Achei! Olhe Açu no meio desse rasgadinho. Em seguida fez umas manobras como estivesse voltando. Depois de uns 10 minutos, já avistavam a cidade. Aí, foi só descer com o avião na pista e respirarem aliviados para em seguida procurarem uma privada para darem vazão ao susto que passaram. Hoje, de forma justa, este pioneiro que adorava voar, já faz parte da memória de grandes personalidades da história Cajazeirense. ”


Bosco Maciel 
é cajazeirense radicado em Guarulho/SP, poeta, folclorista, 
cantador, fundador da Casa dos Cordéis, membro efetivo da 
AGL - Academia Guarulhense de Letras.




Nenhum comentário: